Pneumonia

O que é pneumonia?

A pneumonia é uma inflamação dos espaços aéreos de um ou dos dois pulmões, mais comumente causada por infecções. A infecção pode ser causada por bactérias, vírus ou fungos (menos frequentemente). Existem também alguns tipos não-infecciosos de pneumonia que são causados pela inalação ou aspiração de substâncias estranhas ou substâncias tóxicas para os pulmões.

É uma doença grave?

Quanto à gravidade, pode variar de quadros leves e com poucos sintomas até a quadros tão graves que podem levar a morte. Geralmente é mais grave quando afeta idosos, bebês e crianças pequenas, além de pessoas com condições médicas crônicas ou com função imunológica debilitada. No Brasil, a pneumonia é a quarta doença que mais mata. Embora pessoas de qualquer idade possam ser afetadas, a pneumonia é mais comum em pessoas idosas e geralmente ocorre quando o sistema imunológico enfraquece por meio de uma infecção anterior ou outra condição.

Quais são os principais sintomas da doença?

Os sintomas mais comuns da pneumonia podem incluir:

1. tosse que pode produzir catarro (muco)
2. febre, sudorese e calafrios
3. falta de ar
4. dor no peito

Outros sintomas podem variar de acordo com a causa e a gravidade da infecção, bem como a idade e a saúde geral do indivíduo.

Existe princípio de pneumonia?

Na verdade não, ou está ou não está com pneumonia. Entretanto, muitas vezes o(a) médico(a) precisa adaptar a sua linguagem científica para que o paciente compreenda corretamente o que está sendo explicado e esse é o termo escolhido por alguns profissionais para informar ao paciente e familiares que trata-se de um caso de pneumonia sem gravidade.

A pneumonia é contagiosa?

A maioria dos tipos de pneumonia bacteriana não é altamente contagiosa. Embora seja possível espalhar bactérias de uma pessoa para outra, a pneumonia geralmente ocorre em pessoas com fatores de risco ou defesas imunológicas debilitadas quando as bactérias normalmente presentes no nariz ou na garganta invadem o tecido pulmonar. Qualquer tipo de pneumonia bacteriana ou viral tem o potencial de ser contagioso, mas o Mycoplasma pneumoniae é um dos tipos de pneumonia bacteriana altamente contagiosa. Respirar gotículas infectadas que vêm de pacientes que estão tossindo ou espirrando pode espalhar a doença para outras pessoas.

Qual é o período contagioso de pneumonia?

É impossível dizer com certeza por quanto tempo um adulto ou criança com pneumonia estará transmitindo a doença, pois isso varia de acordo com o tipo de germe ou organismo que causou a pneumonia. Este período contagioso pode variar de um a dois dias a semanas. Em geral, enquanto uma pessoa infectada está tossindo ou espirrando, existe o potencial de liberar gotículas contaminadas no ar.

Muitas pneumonias bacterianas são muito menos contagiosas após os antibióticos terem sido tomados por cerca de 24-48 horas. No entanto, este período de tempo pode variar para alguns organismos. Com as pneumonias virais, o paciente se torna menos contagioso depois que os sintomas melhoram, especialmente a febre. Algumas pessoas com pneumonia viral podem não ser contagiosas após um ou dois dias sem febre, mas outras podem ainda libertar algumas partículas virais infecciosas por mais tempo.

Quais são os fatores de risco para pneumonia?

Há uma série de fatores que aumentam o risco de desenvolver pneumonia. Estes incluem:

  1. Um sistema imunológico enfraquecido, seja devido a doenças como HIV / AIDS ou câncer, ou a medicamentos que suprimem a função imunológica;
  2. Lactentes e crianças com 2 anos de idade ou menos;
  3. Maiores de 65 anos
  4. Portadores de doenças crônicas
  5. Pessoas com problemas para engolir (como em pessoas que tem sequela de AVC).
  6. Pessoas internadas em UTI, principalmente quando respirando por ajuda de aparelhos.
  7. Desnutrição
  8. Fumantes

Quanto tempo dura a pneumonia?

A duração dos sintomas varia de acordo com o tipo de pneumonia e o estado de saúde subjacente do indivíduo. Em pessoas previamente saudáveis, a pneumonia pode ser uma doença leve que se resolve dentro de duas a três semanas. Em idosos e naqueles com doenças crônicas ou outros problemas de saúde, a recuperação pode levar de seis a oito semanas ou mais.

Como os profissionais de saúde diagnosticam pneumonia?

O diagnóstico de pneumonia sempre começa com a obtenção de um histórico médico sobre os sintomas e a realização de um exame físico para procurar sinais característicos. Ouvir os pulmões pode revelar áreas onde o som é diminuído, áreas com chiado ou estalos nas partes afetadas. Alguns testes diagnósticos comumente realizados são os seguintes:

Uma radiografia de tórax é capaz de ilustrar se a pneumonia está presente ou não, mas não fornece informações sobre o organismo responsável pela infecção.

Em alguns casos específicos, uma tomografia computadorizada de tórax pode ser realizada. Isso revelará mais detalhes do que a radiografia de tórax.

A oximetria de pulso mede a quantidade de oxigênio na corrente sanguínea. O teste envolve um sensor indolor ligado ao dedo ou orelha. Os níveis sanguíneos de oxigênio podem ser reduzidos na pneumonia.

Testes microbiológicos para identificar o organismo causador. Os testes podem ser realizados no sangue ou no escarro. Testes rápidos de urina estão disponíveis para identificar Streptococcus pneumoniae e Legionella pneumophila. Culturas de sangue ou de escarro não apenas identificam o organismo responsável, mas também podem ser examinadas para determinar quais antibióticos são eficazes contra uma determinada cepa bacteriana. Em geral, esses testes são necessários para casos mais graves, que necessitam de internação hospitalar.

A broncoscopia é um procedimento no qual um tubo fino e iluminado é inserido na traquéia e nas principais vias aéreas. Isso permite que o médico visualize o interior das vias aéreas e tire amostras de tecido, se necessário. A broncoscopia pode ser realizada em pacientes com pneumonia grave ou se a pneumonia piorar apesar do tratamento antibiótico.

Qual é o tratamento para pneumonia?

A escolha exata dos medicamentos depende de muitos fatores, incluindo os seguintes:

O organismo responsável pela infecção
A probabilidade de o organismo ser resistente a certos antibióticos
Condição de saúde subjacente do paciente
Cerca de 80% dos casos de pneumonia podem ser tratados em casa com o paciente tomando antibióticos orais.

Existem numerosos regimes de tratamento disponíveis. O tratamento inicial (antes que o organismo causador tenha sido identificado) é chamado de tratamento empírico e é baseado nos organismos mais prováveis ​​de serem responsáveis ​​pela doença. Em cerca de 20% dos casos, o tratamento deve ser administrado no hospital, geralmente com antibióticos intravenosos.

Os antibióticos não são eficazes contra a pneumonia viral. Dependendo do tipo de vírus que causa pneumonia, os medicamentos antivirais podem proporcionar benefícios quando iniciados precocemente no curso da doença. Por exemplo, os medicamentos oseltamivir e zanamivir são usados ​​para tratar infecções por vírus da gripe. Agentes antifúngicos são usados ​​para tratar a maioria das pneumonias fúngicas.

Quais são as complicações da pneumonia?

Existem várias complicações potenciais da pneumonia. A infecção que causa pneumonia pode se espalhar para a corrente sanguínea, causando o que chamamos de Sepse. A sepse é uma condição que pode evoluir com gravidade se não for prontamente tratada,  podendo resultar na diminuição da pressão arterial e na falta de oxigenação adequada  nos tecidos do corpo. Nesses casos há necessidade de tratamento intensivo em UTI. Outra complicação que pode ocorrer é o acúmulo de líquido no espaço entre o tecido pulmonar e o revestimento da parede torácica, conhecido como derrame pleural. Os organismos responsáveis pela pneumonia podem infectar o fluido em um derrame pleural, conhecido como empiema. A pneumonia também pode resultar na formação de um abcesso (coleção de pus) dentro dos pulmões ou vias aéreas.

É possível prevenir a pneumonia? Existe uma vacina contra pneumonia?

Não é possível prevenir todos os tipos de pneumonia, mas pode-se tomar medidas para reduzir a chance de contrair a doença deixando de fumar, praticando boas lavagens das mãos e evitando contato com pessoas que tenham resfriado, gripe ou outras infecções.

Está disponível uma vacina contra a causa bacteriana mais comum de pneumonia, Streptococcus pneumoniae (também conhecida como Pneumococo). Existem dois tipos de vacina: PPSV23, uma vacina pneumocócica polissacarídica contra 23 tipos da bactéria, e a PCV13, uma vacina pneumocócica conjugada que protege contra 13 tipos da bactéria. Estas vacinas nem sempre conseguem prevenir a pneumonia pneumocócica, mas podem prevenir complicações sérias de pneumonia, caso ocorram.

FONTE (Referências):

American Lung Foundation

Healthline.org

(92)981715630
Mande um whats app
Powered by